Os efeitos benéficos da atividade física são bem conhecidos, porém efeitos negativos podem ocorrer porque o metabolismo aeróbico aumenta a produção de radicais livres, e se estes superarem as defesas (os antioxidantes) ocorrerá um maior nível de stress oxidativo, que está associado ao aparecimento e evolução de doenças crônicas não transmissíveis como câncer e doenças cardiovasculares, e ao processo de envelhecimento das células.
 

A vitamina E, tocoferol, é o antioxidante lipossolúvel mais importante no sangue. E um varredor dos radicais livres, que protege as membranas celulares e as hemácias, regenera tecidos e ainda aumenta os glóbulos vermelhos. Funciona juntamente com os outros antioxidantes; a vitamina C, betacaroteno e o selênio. A adição da vitamina E deve ser feita, preferencialmente, nos alimentos que possuem maior teor de gordura como o leite e a margarina ou os que são comumente ingeridos com alimentos ricos em gordura como pães e cereais matinal, pois a eficiência na absorção dessa vitamina é aumentada pelo consumo de gordura na dieta, levando a um aumento da sua capacidade de agir no organismo.
 

Pesquisas atuais sugerem que a Vitamina E pode ser o antioxidante mais importante relacionado ao exercício, porém, ainda não conseguiram descobrir nenhuma prova contundente da melhoria ou não da recuperação e do desempenho do atleta em consequência da suplementação dessa vitamina antioxidante.

 

Atletas de endurance apresentam em geral baixos níveis séricos de Vitamina E, mas afinal... SUPLEMENTAR OU NÃO SUPLEMENTAR?
 

A RDA (Ingestão Dietética Recomendada) de Vitamina E por dia é de 15 mg, tanto para homens quanto para mulheres,sem diferença entre atletas e não atletas. Um grande problema são as megavitaminas que muitas vezes apresentam dosagens entre 10 até 1000 vezes maiores do que a RDA, e essa “super carga” pode ser prejudicial sabendo que assim como todas as vitaminas lipossolúveis, o excesso não é excretado, e sim acumulado nos tecidos corporais e podendo alcançar concentrações tóxicas. Multivitamínicos de ação ampla e doses baixas podem ser úteis no caso do atleta não querer ou não poder alterar a dieta. Alguns autores recomendam que atletas de exercícios intensos e prolongados possam receber até 15 vezes da dose recomendada.
 

A suplementação com alfa-tocoferol é utilizada por diversos atletas com o objetivo de melhorar o desempenho físico. No entanto, em estudos com indivíduos que não tinham a deficiência da vitamina, não houve melhora no desempenho após a suplementação. (CRUZAT et al., 2007).

 

Como ainda não existem estudos suficientes para gerar uma conclusão contundente sobre suplementar ou não suplementar Vitamina E. O ideal é que o atleta consulte uma nutricionista para fazer uma Avaliação Dietética e saber se precisa ou não suplementar através de uma análise específica. Além da alimentação, a suplementação vai depender da modalidade praticada, da intensidade do exercício, do nível de treinamento e da adaptação celular do atleta.
 

O que o atleta pode começar a fazer,é adicionar em sua dieta alimentos fontes de Vitamina E. Para exemplificar, segue alguns exemplos:


 

CURIOSIDADE - VITAMINA E EM ATLETAS DE IRONMAN.
Um estudo com atletas de triathlon com a suplementação de 600mg de vitamina E durante 2 meses antes de um evento de TRIATHLON IRONMAN, resultou em um aumento de estresse oxidativo e da resposta de citocinas inflamatórias durante a prova de triathlon em relação ao grupo placebo.

Fonte: Nieman DC, Henson DA, McAnulty SR, McAnulty LS, Morrow JD, Ahmed A, ET AL.Vitamin E and immunity after Kona Triathlon World Championship. Med Sci Sports Exerc 2004;36:1328-35
 

REFERÊNCIAS:
1. Nutrição esportiva: uma visão prática- 2 ed. rev. e ampl.- Barueri, SP: Manole, 2008
2. Nutrição esportiva, Manual de Ciência e Medicina Esportiva- Porto Alegre: Artmed, 2004 Ronald J. Maugham Louise M. Burke

Yana Glaser

Colunista

Formada em nutrição, especializada em nutrição esportiva e fisiologia do exercício. Triatleta há 18 anos, Kona finisher 2016! Contribui com o Trilo quinzenalmente as quintas feiras com a coluna: COMER PARA TREINAR - Como uma dieta adequada pode garantir uma boa disposição, recuperação, um melhor desempenho nos treinos e a superação de suas metas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *