Você ainda está com dúvidas sobre a real eficácia dos treinos indoor? Será que conseguimos ter sucesso nadando na piscina, correndo na esteira, pedalando em bikes na academia, ou no rôlo? Existem correntes que defendem suas reais eficácias, e outras que repudiam estes tipos de treinos.

 

Antes de tirarmos uma conclusão precipitada, que tal discutirmos um pouco sobre este tema e poder tirar nossas próprias conclusões?

 

Fugindo das adversidades climáticas: Em algumas situações, de acordo com as fases da periodização do treinamento, devemos nos proteger do frio intenso, chuva, baixa umidade, poluição, alta temperatura, com o objetivo de evitar quedas imunológicas, preservando a saúde e reduzindo o risco de destreinamento.

 

Controle mais fino de variáveis: Com a possibilidade de contar com equipamentos com recursos tecnológicos avançados nos abre um leque de oportunidades de diversificar estímulos de treino e monitorar a evolução do atleta com mais facilidade, além de facilitar o ajuste de variáveis, como inclinação, velocidade, cargas , seja por meio de uma esteira integrada com seu relógio e conectada à internet, uma bike indoor com medidor de cadência, potência, velocidade, um rôlo de treinamento de ciclismo que une centenas de atletas pelo mundo, uma piscina bem construída, studios e clínicas modernas com equipamentos que nos dão feedback instantâneo de diversas variáveis biomecânicas e fisiológicas.

 

Segurança: Em alguns locais devemos tomar cuidado ao treinar em avenidas, estradas e represas, por exemplo. Riscos de acidentes, assaltos e afogamentos, devem ser evitados em muitos casos, nos restando a opção dos treinos indoor.
Conforto e viabilidade: Caso o espaço ofereça uma estrutura adequada, contamos ainda, com o conforto, possibilidade de tomar um banho e se alimentar após o treino com facilidade para poder trabalhar e encarar o dia de trabalho, estudos, ou chegar em casa já pronto para dormir, ou encontrar a família.

 

Logística de treinamento: O triatleta é o que mais necessita de um espaço com boa estrutura e equipamentos adequados, com o objetivo da otimização do tempo de treino e com possibilidade de reproduzir diferentes treinos, como os simulados, combinados (várias séries compostas por mais de uma modalidade), ou mesmo para um corredor poder integrar outras modalidades para ajuda-lo a evoluir, recuperar de uma lesão, entre outros benefícios.

 

Obviamente, estes são os pontos positivos, mas os treinos outdoor são tão importantes quanto os indoor, e devem ser incluídos na sessão semanal de treinos, em proporção que pode variar de acordo com as características da prova alvo e da fase da periodização. A adaptação ao treino indoor costuma ser lenta e depende da estrutura do local, estes são uns dos motivos que afastam os corredores, triatletas e outros atletas destes ambientes fechados.

 

E você? Prefere treinar em espaços fechados, ou ao livre? Por que não saber extrair o que cada um deles pode nos oferecer de benefícios? Fica a reflexão!

 

Bora pra cima, galera!

Rodrigo Lobo

Colunista

Bacharel em Educação Física pela Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo; Sócio diretor da Lobo Assessoria Esportiva; Palestrante de temas sobre qualidade de vida, treinamento esportivo e empreendedorismo; Colunista do portal Ativo.com e colaborador de diversos portais e revistas esportivas; Atleta amador de corrida de rua e triathlon, Contribui com o Trilo mensalmente com a coluna - DA TEORIA A PRÁTICA - tudo que precisamos saber para manter os treinos e a qualidade de vida!

2 thoughts on “TREINO INDOOR. SERÁ QUE ELES PODEM NOS AJUDAR?

  1. Aleteia disse:

    Eu não gosto muito dos treinos indoor. Prefiro treinar na rua. Principalmente na corrida percebi que quando fico treinando muito em esteira meu rendimento na rua cai, ou seja, corro mau. Dependendo da velocidade da esteira sinto um atrito forte nas passadas. A esteira é muito diferente que na rua. E provas de corrida vc precisa se adaptar com clima, buracos, subidas….
    Na bike indoor acho bom pra treinar giro, carga, mas tbm limita em relação a outras coisas que um ciclista precisa saber ao trocar as marchas e tals.
    Piscina nem se fala. Muita diferença de represa e mar.

    1. Rodrigo Lobo disse:

      Isso mesmo, Aleteia!
      O treino outdoor é muito mais específico, porém em muitas vezes inviáveis, principalmente para quem tem problemas com clima e local de treino. Para este caso, a sugestão é não parar de treinar e adaptar ao ambiente indoor!
      Bons treinos e bora pra cima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *