Neste episódio do Endörfina conversei com outro campeão mundial, o brasiliense Alexandre Manzan.

 

Em 1994, então com 18 anos ele sagrou-se Campeão Mundial Júnior de Duathlon na longínqua ilha da Tasmânia. Um ano antes, já havia vencido o Pan-Americano Júnior de Triathlon, feito que repetiu também em 1994. Vice-campeão do Circuito Mundial de Triathlon em 1996 e campeão de 3 etapas do Circuito Mundial no Japão (1996/98) e em Ilhéus, Bahia (1996).

 

Em nossa conversa Manzan relembra o começo da sua carreira e o talento que descobriu desde cedo. Ele fala também sobre um assunto polêmico: a juventude e a disciplina dos treinos de um atleta profissional. Ele revela de onde surgiu seu gosto por aventura, o que o levou para as provas de X-Terra e de Corridas de Aventura, além de expedições de caiaque, escalada, trekking e bicicleta por locais tão distantes quanto o Monte Roraima e o Aconcaguá, na Argentina.

 

Os cabelos longos foram sua marca registrada, além de uma corrida espetacular, quase sempre na casa dos 30' e baixo. Com um jeito de moleque, a versão triatlética do Menino do Rio, Alexandre Joaquim Fontes Manzan.

 

Aproveitem!

 

Endörfina

Michel Bögli é um apaixonado por bicicletas e foi triatleta profissional entre 1988 e 1997. Venceu diversas provas, participou de alguns mundiais, incluindo dois Ironman do Havaí. Correu as primeiras provas de aventura por aqui, desde 1994 participou cinco vezes da Race Across America (RAAM) e em 2001, venceu a categoria duplas. Organizou diversas corridas de rua e provas de 24h de ciclismo, além de ter participado de quatro edições da Cape Epic. No Endörfina Podcast conversa com amigos e campeões do triathlon, corrida, ciclismo e natação.

One thought on “EPISÓDIO 11 – ALEXANDRE MANZAN

  1. Paulo Costa disse:

    Nossa que legal reviver essa história relatada por Manzan. Vivi esse tempo, comecei no duathlon
    na categoria MTB em 1993 e fiquei até 1997. Corri ao lado de Aglaé Menezes, Manzan, Zé do
    Pedal, Levi (meu irmão)..mais na categoria amadora e tendo em foco esses que me inspiravam.
    Era muito difícil esse tempo, tudo caro, bike, pré-treino, acessórios mais foi muito legal a emoção
    que vivi.
    Parabéns por nos proporcionar voltar ao tempo e sentir as corridas, quase todas na esplanada e
    algumas no autódromo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *