Nutrição no período de base e o retorno aos treinos
Ano novo, temporada nova e motivação renovada. Nessa época do ano é comum vermos pessoas traçando estratégias mirabolantes sejam para retomar a forma física, quanto para eliminar o peso adquirido no período de festas. Será que a adoção de medidas radicais é a melhor alternativa a ser seguida nesse momento?

 

Impor ao corpo humano uma restrição calórica agressiva durante o período de base e readaptação ao treinamento pode expor o atleta aos riscos de lesão em razão de um aporte nutricional insuficiente, alem de prejudicar o próprio rendimento nos treinos. Será que vale a pena? Para buscar um equilíbrio saudável, é necessário traçar metas. O objetivo será performance, longevidade no esporte ou perda de peso a qualquer custo?

 

Se a opção for por performance e longevidade no esporte, fique tranquilo. Tudo voltará ao normal com paciência e dedicação. Tenha em mente que qualquer plano alimentar exige foco, continuidade e organização.

 

Visando uma temporada longa e consistente, é muito importante que o atleta respeite o plano traçado. Assim como o volume de treinos aumenta de forma gradual, o plano alimentar deve acompanhar as características de cada ciclo de treinamento e também deverá ser ajustado ao longo da temporada com base nas "provas alvo". A evolução virá gradativamente.

 

Sobre a periodização nutricional, com devemos nos adaptar?
Inicialmente faça uma avaliação da composição corporal com um profissional. É necessário pontuarmos onde estamos, onde queremos chegar e em quanto tempo chegaremos lá. Um planejamento com metas reais e alinhadas aos objetivos de cada atleta é essencial para manter a motivação em alta.

 

Em seguida, é imprescíndivel o planejamento conjunto alinhando rotina, objetivos e ciclos de treinamento. A nutrição visando performance deve garantir o rendimento e maximizar a recuperação após cada sessão de treino. A restrição calórica para atletas deve ser bem pensada e esquematizada por um profissional habilitado, de modo a evitar possíveis lesões e desordens hormonais; estes riscos estão diretamente relacionados com uma oferta energética insuficiente para o gasto calórico imposto. Importante destacar que o planejamento alimentar é pessoal; o consumo calórico difere dentre as características de cada um e, ainda, em razão da rotina/programação de treinos.

 

Com a retomada dos treinos, é essencial alinhar o plano alimentar com uma rotina equilibrada e saudável; uma boa noite de sono pode auxiliar na queima de gordura enquanto que a privação de sono pode dificultá-la. Elimine os maus hábitos e planeje o seu dia. Dieta é sinônimo de organização.

 

Independente da fase, priorize sempre uma alimentação balanceada e devidamente ajustada às suas preferências, pois a melhor dieta é aquela que você consegue seguir.

 

Boa retomada de treinos e que venha uma temporada longa!

Maria Cecilia Carvalho (Ciça)

Colunista

Nutricionista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie – SP. Triatleta há 8 anos, 5x Ironman Kona Finisher e melhor tempo de uma amadora brasileira em Ironman. Contribui com o Trilo mensalmente com a coluna: NUTRIÇÃO E PERFOMANCE – Como uma boa alimentação pode auxiliar a longevidade no esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *