Não é preciso dizer que a Ironman Kona é sem dúvida, a prova mais cobiçada pelos triatletas do mundo inteiro. O motivo? A edição havaiana é o campeonato mundial da distância e não só isso, traz consigo a história da modalidade, tendo sido no Havaí, há 40 anos atrás, a primeira edição de Ironman realizada.

 

Além disso, quero apontar alguns pontos importantes que tornam essa prova única:

 

• No Ironman Kona estão supostamente os melhores triatletas do mundo e essa prova é a prova alvo de todos eles. Sejam amadores de elite ou profissionais, eles estão em Kona buscando grandes resultados e para isso, sabem que tem que arriscar tudo no grande dia. Ninguém (ou quase ninguém) é tão superior aos adversários que possa ganhar alguma coisa aqui se “poupando”. Isso explica porque tantos “quebram” nessa prova.

 

• A prova é dura! Natação sem roupa de borracha, ciclismo com altimetria e muito vento e calor, assim como a corrida. É muito importante que o atleta esteja preparado para o que vai enfrentar, ou seja, faça treinos em águas abertas sem roupa de borracha, coloque rodas de perfil médio / baixo na bicicleta levando em consideração as tradicionais rajas de vento, e prepare-se para andar muito tempo no clip seja em alta ou baixa velocidade, o vento contra costuma castigar no terço final do ciclismo e sair do clip nessas horas trará grande prejuízo aerodinâmico. E por fim, treine no calor! A prova em Kona é muito úmida e o sol reflete nos campos de lava tornando a corrida e ciclismo na Queen-K (que não tem sombra rs) um verdadeiro forno.

 

• A nutrição: Se alimentar ao longo de uma prova nas distâncias de um Ironman não é tarefa fácil. Agora se considerarmos o calor e a umidade elevada, fica ainda mais complicado (considerando que a grande maioria não vive e treina nessas condições).

 

A hidratação é sem dúvida muito importante e um protocolo para evitar e desidratação deve ser iniciado alguns dias antes da competição, aumentando a ingestão de líquidos e eletrólitos. Durante a prova o atleta deve ser capaz (isso também é treino) de hidratar-se com frequência além de ingerir capsulas / bebidas com eletrólitos.

 

A alimentação / suplementação acaba sendo mais complicada ainda nessas condições. Numa situação de alta temperatura e umidade, dificilmente o atleta consegue ingerir grandes quantidades de alimentos sólidos, e inclusive pode acontecer de “perder o apetite” para qualquer alimento. Nesse momento entra o treinamento (por que isso É sim treinável) para a ingestão quase que exclusiva de gels e derivados (gomas e sachês) ao longo da prova, além dos preparados líquidos que hidratam e auxiliam no cálculo para bater as quantidades necessárias de carboidratos por hora sem causar o desconforto dos gels.

 

Cabeça! Provas duras são vencidas na cabeça. A capacidade de suportar e ignorar a dor e o cansaço é a chave do sucesso em provas de longa distância. Especialmente as mais duras como o Ironman Kona. Eu diria que o mais legal dessa prova é isso, como em todo Ironman, tudo pode acontecer, mas nesse aqui, onde todos estão andando no limite e as condições são extremas, o fator imprevisível é muitas vezes maior! Todos têm chance, e especialmente os que acreditam que podem.

Maria Cecilia Carvalho (Ciça)

Colunista

Nutricionista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie – SP. Triatleta há 8 anos, 5x Ironman Kona Finisher e melhor tempo de uma amadora brasileira em Ironman. Contribui com o Trilo mensalmente com a coluna: NUTRIÇÃO E PERFOMANCE – Como uma boa alimentação pode auxiliar a longevidade no esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *