Imediatismo talvez seja a tendência global atualmente. Em todas as áreas da vida, as pessoas buscam soluções para ontem, sejam elas relacionas ao trabalho ou às próprias relações pessoais. Como era de se esperar, no esporte o cenário não é diferente. Mas nem sempre os meios rápidos para buscar resultados compensam.

 

O imediatismo normalmente está atrelado à busca de performance. A busca descompensada pelo resultado rápido, em casos mais extremos, pode levar um atleta a entrar no mundo das substâncias ilícitas (doping). No caso da nutrição, nota-se a busca por uma composição corporal perfeita atrelada por metas de curtíssimo prazo, o que leva à adoção de dietas extremamente restritivas.

 

Mas tenham cuidado, dietas restritivas estão associadas a alguns riscos importantes:

1- Poucos nutrientes: normalmente as dietas restritivas levam à redução/exclusão de frutas (fontes de fibras, vitaminas e antioxidantes). A falta de vitaminas pode aumentar o cansaço físico, fadiga, além da possível queda da imunidade. Já a falta de fibras é prejudicial para absorção de nutrientes e equilíbrio intestinal. Enquanto os antioxidantes auxiliam na eliminação de radicais livres produzidos pela atividade física.

2- Redução excessiva de carboidratos: quando associada à atividade física de alta intensidade, pode ocasionar uma rápida depleção do glicogênio muscular e consequente queda de performance e piora na recuperação pós treino.

3- Redução ou ingestão desordenada de proteína: a redução ou a ingestão demasiada de proteína podem acarretar na perda de massa muscular ou na sobrecarga do sistema renal, o que gera um desequilíbrio da flora intestinal.

 

Não tem muito segredo, para resultados eficazes e permanentes é necessário um planejamento alimentar de fácil execução, sustentável e contínuo, sem exageros. Adesão é a palavra-chave. Portanto, vamos largar o imediatismo, começar hoje e seguir firmes no plano alimentar rumo ao objetivo maior que é a saúde e a longevidade no esporte. Mantenham bons hábitos para a vida. A composição corporal e a performance desejadas serão positivamente afetadas no longo prazo, de forma natural e saudável.

 

Bons Treinos

Maria Cecilia Carvalho (Ciça)

Colunista

Nutricionista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie – SP. Triatleta há 8 anos, 5x Ironman Kona Finisher e melhor tempo de uma amadora brasileira em Ironman. Contribui com o Trilo mensalmente com a coluna: NUTRIÇÃO E PERFOMANCE – Como uma boa alimentação pode auxiliar a longevidade no esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *