Se você é um triatleta de Ironman principalmente, ou até mesmo de 70,3, sua melhor sapatilha é a de ciclismo de estrada. Já se suas provas principais são de distância olímpica ou mais curta, opte por uma de triathlon.

 

As sapatilhas de triathlon possuem características especiais voltadas a necessidades específicas do ciclismo após natação. Facilidade na hora de calçar, para transições rápidas, boa ventilação, saída de água e fechamento fácil e rápido. Para provas curtas, onde alguns segundo fazem diferença, esses aspectos são importantes.

 

Já em provas mais longas, os principais aspectos são o conforto, a transmissão de força e a aerodinâmica. Nesse caso, as sapatilhas de ciclismo são superiores (logicamente há uma variação importante entre marcas e qualidade das sapatilhas – avaliar o tipo de solado, fechamento, peso, etc). Enquanto que os segundos extra na transição tem um valor relativo no tempo total de prova.

 

Os grandes campeões de Kona, referência das marcas e público sobre o que usar ou não, tem competido com sapatilhas de ciclismo. Patrick Lange venceu a prova com a Shimano RC9. Frodeno utiliza as sapatilhas da marca Bont. Dos top 10 em Kona, 8 usaram sapatilhas de ciclismo, contra 2 de triathlon (Sanders e Kienle – sendo que a sua Scott tri carbon tem muita cara de sapatilha de ciclismo). Daniela Ryf também usou uma shimano de ciclismo. Já nas provas de ITU, 100% dos atletas utilizam sapatilhas de triathon.

 

A dica então, para provas à partir de 90k de ciclismo é optar por sapatilhas tipo road, com características e desempenho de estrada ao invés de sapatilhas tri-específicas. No entanto, também, é legal escolher uma com sistema de fechamento Boa, porque é fácil e rápido de ajustar, é preciso e não requer fixação e refixação da correia de velcro para obter o encaixe perfeito.

 

Uma observação importante é que nem sempre um solado de carbono representa o melhor. As conhecidas como melhores, são de carbono. Mas experimente, faça treinos simulado e veja o comportamento dela no seu pé́. Algumas pessoas tem dificuldade com uma sapatilha ou outra quando está com ou sem meias.

 

Outra coisa, é o encaixe dela na transição, que deve ser rápido e isso deve ser testado. O tamanho da sapatilha é fundamental para o conforto e performance. Se estiver muito apertada, sentira dores, “ hot foot” que é o formigamento dos pés. Se estiver muito larga, ou comprida, o pé ficará dançando na sapatilha (para frente e pra trás.) Preste atenção, que na puxada da pedalada, o calcanhar sobe e perde o ajuste com a sapatilha, perdendo assim, os preciosos watts. Então lembre-se que nem sempre o mais caro é o melhor. Ela precisa ser rígida, confortável e estável para permitir que essa força aplicada sobre ela, seja transferida para o pedal.

 

Bons treinos e até a próxima!

Igor Laguens

Colunista

Educador Fisico, Certificado por Training Peaks, Endurance Coaching Summit, Serrota International Cycling Institute e Bikefit.com. Ciclista há mais de 17 anos, embaixador do Haute Route no Brasil, contribui com o Trilo quinzenalmente as terças feiras com a coluna: OS SEGREDOS DO CICLISMO DE ESTRADA – força com controle.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *