Depende, mas se você gosta de analisar os gráficos após o pedal, reportar ao seu treinador, e fazer mudanças nos treinos ou ajustes de postura, sim faz total sentido ter um medidor bilateral.

 

Para atletas mais exigentes e que gostam de analisar os valores ou até mesmo durante o pedal olhar os pontos em que está colocando força nos pedais, assim como o equilíbrio de forças entre as pernas, os medidores de dois lados são bem interessantes pois são instantâneos e bem precisos. Além disso, uma outra informação bem legal é que hoje eles mostram quanto tempo o atleta pedalou em pé ou sentado. Uma boa informação ao treinador.  Se for um Garmin, a chance de um “Pod” quebrar e parar de funcionar o sistema todo é alta. No caso de medidores como Quarq, SRM e outros que medem potência através do movimento central ou “aranha” que prende as coroas ao pedivela, a chance de quebrar ou danificar é bem menor, a precisão deles é maior e a leitura é mais rápida, logo são bons para quem faz muito treino de aceleração, sprint.. Mas tem um preço um pouco mais elevado.

 

Já o medidor unilateral é o suficiente para quem faz pedais mais constantes como grandes voltas (loops), montanha altas, Audax, Ironman e meio Ironman. Os números que mais importam são as potências médias ou então as normalizadas, ou seja, o que importa é ser constante, mesmo que seja uma aceleração, ela nunca será rápida e curta demais, pois o interessante é manter a média programada. Então para se fazer um prova como um IM, se o atleta colocar o alvo de por exemplo 200w, ele deixa na tela o NP, ou AVG ou “Laps” e então faz essa potência até o final.

 

MEDIDORES BILATERAIS

- Pontos positivos:

  • Medida de força de cada perna
  • Mostram quanto tempo o atleta pedalou em pé ou sentado
  • Útil para treinos de aceleração e sprints
  • Mais precisos e rápidos

- Pontos negativos:

  • Custo mais elevado
  • No caso do Garmin, se um pod quebra, necessário substituir os 2 lados

 

MEDIDORES UNILATERAIS

- Pontos positivos:

  • Mais baratos

- Pontos negativos:

  • Medida de força media
  • Sem informação à respeito de força do lado direito e esquerdo.

 

CONCLUSÃO

Para iniciar nos medidores, basta ter um que meça um lado só e você terá uma bela ferramenta nas mãos, investirá um valor menor e terá um bom recurso para aprimorar seu pedal. Agora se já usa medidores há um tempo, gosta de analisar gráficos e está disposto a desembolsar um pouco mais, os medidores de dois lados são mais precisos, rápidos e dão um pouco mais de informações, mas nada que o de um lado só não seja o suficiente.

Igor Laguens

Colunista

Educador Fisico, Certificado por Training Peaks, Endurance Coaching Summit, Serrota International Cycling Institute e Bikefit.com. Ciclista há mais de 17 anos, embaixador do Haute Route no Brasil, contribui com o Trilo quinzenalmente as terças feiras com a coluna: OS SEGREDOS DO CICLISMO DE ESTRADA – força com controle.

2 thoughts on “Faz muita diferença ter um medidor de potência bilateral?

  1. Reinaldo Ottero disse:

    Olá boa tarde, estava votando para
    comprar o powertap p1, dos dois
    pedais , você acha que ele também
    quebra mais do que os outros, pois
    ele é mais versátil podendo ser
    colocado em outras bikes, o central
    geralmente depende da marca do
    pedivela

    1. Igor Laguens disse:

      Olá Reinaldo, realmente os medidores quando em movimento central ou braço do pedivela, realmente dependem de compatibilidade, sendo assim o Vector e Powertap, tem uma vantagem. Quanto a manutenção e durabilidade do p1 eu realmente não posso afirmar nada mas em reviews e de alguns clientes que passam por aqui, ele tem baixa manutenção sim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *