Bike ajustada, bike fit feito, equipamentos todos regulados, agora está na hora de começar os treinos específicos. Mas antes, lembre-se que o passo a passo é o mais importante de tudo.

 

Se a base foi bem feita, imaginamos que esteja com uma cadência boa e o estimulo neuromuscular também, logo, manter uma determinada potência será mais fácil. Mas como assim manter a potência pela cadência? Sim, uma vez que você tem a "força", agora é só manter com uma cadência seja ela de 80-85-90-95, em alguns casos até 100rpm. Lembre-se que cada um tem uma eficiência para determinada cadência, e que quanto maior o rpm, maior a frequência cardíaca também, por isso, muita cautela em aumentar demais o seu rpm.

 

A regra natural do jogo agora é começar a ficar mais forte, e usar o rpm para aumentar a sua wattagem ou Velocidade (dentro das mesmas condições de vento e terreno), ou seja, a sua performance. Imagine que ao aumentar a carga (marcha mais pesada) e só mantiver o RPM, a performance (velocidade, wattagem) também irá aumentar e quanto mais constante, ou seja, mais uniforme a pedalada, menor o esforço que fará para vencer a inércia a todo momento.

 

Parte teórica feita, agora chegou o momento da prática. Como? Simplesmente fazendo força, mas sem perder cadência. Use bastante as subidas, sejam elas de 500m, 1km, 2km. Deixe as montanhas (acima de 4-6km) para o seu final de semana, quando você deve fazer um treino longo e ganhar endurance. Caso não tenha subidas na região, faça intervalos de força com cadência baixa (50-60rpm) e em seguida sempre um momento com RPM alto, para não perder este estimulo.

 

Nos treinos longos, normalmente feitos aos finais de semana, coloque mais carga, ultrapasse a zona de conforto e arrisque mais, está chegando a hora de arriscar, para depois chegar o momento dos tiros e treinos específicos para a sua modalidade.

Igor Laguens

Colunista

Educador Fisico, Certificado por Training Peaks, Endurance Coaching Summit, Serrota International Cycling Institute e Bikefit.com. Ciclista há mais de 17 anos, embaixador do Haute Route no Brasil, contribui com o Trilo quinzenalmente as terças feiras com a coluna: OS SEGREDOS DO CICLISMO DE ESTRADA – força com controle.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *