Quando os atletas pensam em xtreme triathlon, as provas mais lembradas são as famosas Norseman, Swissman e Celtman; ou ainda a brasileira Fodaxman (a primeira prova de xtreme triathlon de todas as Américas). Mas o fato é que já há mais de duas dezenas de provas de xtreme triathlon espalhadas ao redor do mundo e hoje falaremos um pouco sobre elas.

 

A maioria das provas está na Europa e por questões climáticas é concentrada entre os meses de junho a agosto. Mas já há duas provas na América do Sul, duas na América do Norte e uma na Oceania.

 

A primeira prova de xtreme triathlon no formato que conhecemos atualmente foi o Norseman em 2.003 e surgiu como uma tentativa de aumentar o número de noruegueses em provas de longa distância (há um relato muito bacana no site da prova: https://nxtri.com/about/the-early-years/. Pelo jeito eles conseguiram atingir o objetivo já que atualmente a Noruega e os demais países nórdicos possuem muitos e excelentes atletas de xtreme triathlon. E certamente as condições climáticas adversas destes países tem forte influência na qualificação destes atletas.

 

Já há alguns países com mais de uma prova, como é o caso da Noruega (2), Espanha (2), Itália (2) e França (3). E apesar da organização de cada prova ser uma estrutura independente das demais (a única exceção é o organizador do Thorxtri na Noruega que também organiza o Kiwiman na Nova Zelândia), o clima de camaradagem e apoio está presente entre os organizadores e não é raro o organizador de uma prova divulgar ou até estar presente nas demais provas.

 

Não há nenhuma dúvida de que todas estas provas são duríssimas e possuem várias similaridades. Mas, de certa forma, cada prova soube utilizar elementos característicos de seu país para tornar a dificuldade e a beleza de cada uma delas ainda mais especiais e únicas. Desta maneira, só para citar algumas provas, temos a água congelante e os fiordes da Noruega no Norseman, a beleza natural e a vida selvagem da patagônia chilena no Patagonman, o legado histórico do Monte Olympus no Almira-X, o calor e a dureza da Serra do Rio do Rastro no Fodaxman, o mítico Passo dello Stelvio no Icon ou as montanhas acima de 2.000m de altitude e a subida em paralelepípedo do St. Gottard Pass no Swissman.

 

Considerando portanto a variedade de opções, antes de se inscrever em uma prova de xtreme triathlon você deve ponderar vários fatores (além obviamente de estar muito preparado física e mentalmente para uma prova full distance muito dura) :

 

• Forma de inscrição: muitas provas possuem processo seletivo ou sorteio de vagas;

• Período do ano: a maioria das provas ocorre entre junho e agosto, portanto lembre-se que se você se inscrever para uma prova em agosto e morar no Sul do Brasil terá que encarar treinos longos (bem longos !) durante nosso inverno;

• Temperatura da água: se você tem dificuldade com água congelante (estamos falando de água que pode chegar a 10 graus !) pense duas vezes antes de se inscrever no Norseman, Alaskaman ou Patagonman; caso contrário sua prova pode terminar já na T1;

• Altimetria: muita subida é uma certeza em todas as provas, mas não atente-se somente à altimetria acumulada e estude bem o perfil altimétrico da prova (tanto no ciclismo quanto na corrida). Só para dar um exemplo, a altimetria acumulada do percurso de ciclismo do Fodaxman e do Swissman é parecida, no entanto as características dos dois percursos são completamente diferentes;

• Equipamento adequado: a escolha do equipamento pode ser o fiel da balança entre o sucesso ou o fracasso da sua prova, e não estou falando só da bike (aliás escreverei um texto em breve sobre bike TT x road em provas de xtreme triathlon). Nem pense por exemplo em encarar o frio no ciclismo no Alaskaman ou a chuva no Celtman só com manguito; capacete aero não faz diferença nenhuma e você vai odiá-lo quando estiver pedalando com 35 graus no Fodaxman e não conseguir molhar a cabeça com água gelada; roda fechada nem pensar e roda com perfil alto é adequada somente em algumas provas; considere se seu tênis é adequado para correr em trilha pois este é o tipo de percurso que encontrará em várias provas.

• Logística: uma prova de xtreme triathlon requer uma logística bastante complexa, desde roupa para todos os tipos de clima até a montagem da equipe de apoio e a atribuição de cada membro da equipe, passando por aluguel de carro de apoio adequado, acomodação diferente para largada e chegada (muitas das provas são ponto a ponto), nutrição e suplementação para você e seus apoios durante toda a prova, etc. Portanto, leve tudo isto em conta quando for decidir em que país vai fazer a prova, se vai levar todo o material do Brasil ou se irá adquiri-lo ao chegar no destino e com quanto tempo de antecedência viajará para o país da prova. E não se esqueça que durante a prova você e sua equipe deverão ser auto-suficientes, portanto o domínio do idioma local ou pelo menos do inglês é fundamental.

 

Portanto, antes de se inscrever numa prova de xtreme triathlon estude bastante, analise o site e o roadbook, tente pegar informações e opiniões com atletas que já fizeram a prova. Durante a prova você terá muitas variáveis incontroláveis, portanto garanta pelo menos que as variáveis controláveis não irão lhe causar nenhuma surpresa desagradável.

 

Por fim, preparei um quadro com as principais provas de xtreme triathlon ao redor do mundo. Algumas considerações importantes :

 

*As provas estão ordenadas alfabeticamente por país e o quadro abaixo não tem nenhuma pretensão de ranquear as provas por dificuldade.

**A altimetria total é apenas referencial já que nem sempre há consenso entre a informação disponível no site da prova e a altimetria registrada pelos atletas.

*** Em todas as provas você encontrará muita altimetria acumulada, no quadro abaixo procurei mencionar algumas características ou dificuldades de cada prova.

 

 

Nome

País*

Mês

Altimetria (bike+corrida) aproximada **

Características de
dificuldade ***

Austria XTri Austria Junho 5.500m Parte do percurso da natação é feita contra a correnteza do rio; 3 duras montanhas no ciclismo; ganho de elevação de 800m nos últimos 12km de corrida
Fodaxman Brasil Dezembro 4.700m Amplitude térmica, temida Serra do Rio do Rastro no ciclismo e final da corrida no Morro da Igreja (1.200m de elevação em 16km)
Canadamanwoman Canadá Julho 3.700m Água muito fria; percurso "rolling"
Patagonman Chile Dezembro 3.200m Água congelante, ventos muito fortes; corrida em estrada de terra
Celtman Escócia Junho 3.800m Água gelada e com água viva; instabilidade climática; frio e vento
Janosik Eslováquia Setembro 4.800m Percurso "rolling" na corrida; incluindo uma subida com aproximadamente 1.100m de ganho de elevação
Pirenextri Espanha Junho 6.000m Amplitude térmica, 4 duras montanhas no ciclismo; 2 duras montanhas na corrida (uma delas com 18km e + 2.000m de altitude)
Hispaman Espanha Setembro 3.500m Percurso "rolling" tanto no ciclismo quanto na corrida
Alaskaman EUA Junho 3.350m Água congelante; frio; quase 2.000m de elevação na corrida
Bearman França Setembro 5.700m 2 duras montanhas no ciclismo; sendo uma de 28km com 1.200m de ganho de elevação
Alpsman França Junho 5.400m 5 montanhas no ciclismo incluindo 1.200m de elevação nos primeiros 29km de prova; 1.200m de elevação nos últimos 15km de corrida
Altriman França Julho 5.000m 3 duras montanhas no percurso de ciclismo; incluindo Port de Pallhères com 2.000m de altitude
Almira-X Grécia Setembro 5.500m Ciclismo passa pelo Monte Olympus; chegada da corrida é a 2.800m de altitude
Icon Itália Agosto 6.000m Natação a 1.800m de altitude; frio; ciclismo com 5 duras montanhas acima de 2.000m de altitude incluindo o mítico Passo dello Stelvio com 2.757m de altitude; chegada da corrida a 3.000m de altitude
Stonebrixiaman Itália Julho 5.000m No ciclismo há o duríssimo Passo del Mortirollo e o Passo Gavia a 2.620m; últimos 7km da corrida com 800m de ganho de elevação
Norseman Noruega Agosto 4.900m Água congelante; instabilidade climática; ganho de elevação de mais de 1.500m nos últimos 17km
Thorxtri Noruega Agosto 3.000m Água congelante; instabilidade climática
Kiwiman Nova Zelândia Fevereiro 4.200m 3 montanhas duras no ciclismo; ganho de 800m de elevação nos últimos 5km da corrida
Winterman República Checa Outubro 4.000m Água congelante; frio; ganho de elevação de 600m nos últimos 10km
Swedeman Suécia Agosto 4.000m Água muito gelada; 900m de ganho de elevação nos últimos 7km de corrida
Swissman Suíça Junho 5.200m Ciclismo com 3 montanhas acima de 2.000m de altitude : St. Gottard Pass (com 5km de paralelepípedo), Furka Pass e Grimsel Pass; frio no topo das montanhas; últimos 9km da corrida com 1.100m de ganho de elevação chegando a 2.061m de altitude

 

Foto : crédito Danielle Bertachini – Swissman 2018

Fernando Palhares

Colunista

Fernando Palhares (@xtri.man) é triatleta há mais de 14 anos. É um dos organizadores do Fodaxman, a primeira prova de xtreme triathlon da América Latina. Foi o primeiro atleta não-europeu a participar do Alpsman (França), é o atual vice-campeão do Fodaxman (Brasil) e melhor atleta latino-americano na história do Swissman (Suíça). Está em constante contato com os organizadores de algumas das principais provas de xtreme triathlon ao redor do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *