Todo o esforço pressupõe um objetivo. Quando decidimos começar a correr, pedalar, nadar ou fazer qualquer outra atividade, o fazemos por algum motivo e buscamos chegar a algum lugar. Quando falamos de esporte é comum associar o objetivo a um resultado competitivo, mas vemos a cada dia que um tempo, colocação ou resultado nem sempre é o real responsável pela escolha ou manutenção da prática esportiva.

 

Definir qual o objetivo de cada pessoa no e com o esporte é fundamental para organizar e direcionar os esforços deste praticante, garantindo que sua motivação durante o processo seja a maior possível e que, quando alcance este objetivo final, ele esteja realmente realizado e esta conquista signifique algo verdadeiro para ele. Afinal não há nada pior do que dedicar anos e uma energia interminável em busca de um resultado para descobrir ao final do processo que os objetivos pessoais mais importantes foram deixados pelo caminho.

 

Costumo dizer então que para qualquer atleta, seja no início da prática esportiva, no caso de um iniciante, ou no início de um ciclo de treinamento, no caso dos mais experientes, uma reflexão real e sincera dos objetivos a serem alcançados é fundamental para garantir o sucesso do trabalho. Esta reflexão deve ser individual, baseada nos valores pessoais de cada um, naquilo que o motiva, que considera importante e que faz parte de sua realização.

 

Não adianta estabelecer apenas um objetivo de resultado se o processo for deixado de fora, se o ambiente do dia a dia for mais importante para o atleta do que um dia de competição, se estar entre amigos valer mais do que competir todos os dias. Afinal cada objetivo tem seu preço, e quem vai pagar deve estar consciente e disposto a pagá-lo.

 

Pois bem, o objetivo não só dá a direção de onde queremos chegar mas também determina o caminho que devemos seguir para alcançá-lo. Quando este processo é claro a motivação é mais natural, pois a cada passo do caminho, a cada desafio ou dificuldade, o atleta tem a consciência que está mais perto do objetivo final, como em uma prova onde cada quilômetro percorrido significa que estamos mais perto da linha de chegada. E este caminho é tão importante quanto o objetivo em si, afinal são as nossas ações que irão controlar o resultado do esforço e não simplesmente o nosso desejo de chegar lá.

 

A partir destes conceitos determinamos algumas regras que devem ser seguidas para que o estabelecimento de um objetivo possa ser mais produtivo e eficiente.

1- O Objetivo deve ser tão específico quanto possível. Conceitos como evoluir, fazer o meu melhor, me sentir bem ou ficar mais rápido, embora importantes, são muito amplos, difíceis de controlar e até de acompanhar a evolução pois lhes falta referência. Em seu lugar focar na melhora do ritmo de treino, em um tempo específico em uma prova, no aumento na frequência e presença nos treinos ou nos eventos sociais da equipe e em fatores específicos da percepção de esforço e bem estar, nos ajuda a acompanhar a evolução de nossas metas.

2- Junto ao objetivo, precisamos estabelecer a forma como iremos alcançá-lo, desenhar o mapa propriamente dito. Nesta hora o contato com o treinador é fundamental. Como serão os treinos? O que preciso melhorar tecnicamente? Preciso melhorar a condição física ou a capacidade de execução? Existe algo que me atrapalha neste busca? Além disso, estabelecer a disponibilidade para os treinos e a rotina diária também será importante para chegar no objetivo final

3- É preciso determinar prazos, situar as metas e objetivos no tempo. São as famosas metas de curto, médio e longo prazo. Afinal grandes evoluções não ocorrem da noite para o dia, elas são resultado do trabalho contínuo em pequenas metas diárias, semanais, mensais e anuais, que se concretizam para os outros no momento de uma competição, mas que foram treinadas quando ninguém estava olhando.

4- Determinar condições específicas para cada objetivo também é uma importante ferramenta para evitar distorções, tanto para o bem, quanto para o mal. Imagine que você treinou para um tempo específico em uma maratona, mas largou a prova de Boston em 2018, com chuva e temperatura congelante, ou ficou doente uma semana antes. Não levar em consideração estas condições na adaptação do objetivo certamente levará a uma frustração. De forma oposta imagine que, por uma contingência da situação, o atleta pedalou em um grande grupo no Ironman do Texas 2018 ou no 70.3 Maceió, fazendo-o baixar em mais de 10 minutos do seu tempo em condições normais. Não considerar esta condição, novamente será oportunidade para frustração quando tais condições não se repetirem.

5- Quando os objetivos são específicos, tem prazos determinados e condições estabelecidas, eles proporcionam outro elemento importante na motivação durante o processo, o feedback. A capacidade de acompanhar meta por meta o quanto cada objetivo de curto prazo tem contribuído para o objetivo final. Mais uma vez função importante dos técnicos, psicólogos e companheiros de treino.

 

Mas o que todo estabelecimento de metas busca é favorecer o comprometimento do atleta, ou praticante de qualquer atividade, com o motivo e o significado de seus esforços. Um objetivo bem detalhado e importante para o atleta irá potencializar a sua capacidade de execução na medida em que direciona a energia de forma específica e evita a sua dispersão. E se buscamos o melhor em tudo o que fazemos, não podemos deixar ao acaso algo que pode ser tão importante para nós. Afinal para quem não sabe onde vai, qualquer caminho serve...

 

Esta coluna é um oferecimento de GU ENERGY. Desenvolvido para treinos diários e competições, o GU ENERGY GEL é o carro chefe da marca número um do mundo em nutrição esportiva. O produto entrega alta concentração de energia em uma embalagem de fácil manuseio para uso ao longo da atividade esportiva.

 

Todos os produtos GU ENERGY GEL estão disponíveis no site do trilo e nas principais lojas do Brasil.

Arthur Ferraz

Colunista

Psicólogo pela PUC-SP, Especialista em psicologia do esporte, responsável pela preparação mental de atletas olímpicos de diferentes modalidades nos jogos de verão e inverno. Psicólogo do Clube Paineiras do Morumby, já trabalhou com as confederações de desportos aquáticos e desportos de inverno. Pratica triathlon há 17 anos, somando 13 IRONMANS e 4 participações em Kona.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *