Desde o começo do ano tenho trazido aqui, em artigos mensais, habilidades imprescindíveis a serem desenvolvidas para que se possa obter o melhor resultado, seja no esporte, no trabalho ou na vida.

 

Um está intimamente ligado ao outro. A falta de atenção a alguns desses aspectos impacta diretamente nos demais e assim, por consequência, na performance.

 

Se ainda não leu os artigos anteriores, recomendo que o faça, assim saberá como extrair seu máximo potencial em todas as ocasiões:

  1. importância de manter o foco
  2. resiliência mental
  3. mudar o mindset (atitude mental) para nos mantermos no curso e realizar as nossas metas.
  4. Engajamento

 

Hoje irei abordar sobre o nível de energia, sem a qual fica praticamente impossível fazermos tudo o que queremos ou precisamos. Se não impossibilita, prejudica o resultado esperado.

 

O estilo de vida atual é de muitas atividades e correria, o que por si só já consome muita energia. Se a energia está baixa, não conseguimos colocar todo o nosso potencial em uso. E não apenas isso, acabamos deixando de lado metas e objetivos por não ter disposição e energia (que também impacta na vontade), para corrermos atrás do que realmente nos interessa.

 

A falta de energia contribui para ficarmos estagnados em nossa zona de conforto. Por outro lado, quanto mais energia, mais realização, felicidade, alta performance e produtividade.

 

E o lance não é diminuir o desafio, mas sim aumentar a energia. Se há o incremento de energia, a impressão é de que aquela atividade se tornou mais fácil.

 

Algumas coisas ou atitudes aumentam nosso nível de energia, porém há outras que a suga.

 

Fique de olho nesses 10 hábitos que esgotam sua energia, evite-os ou transforme-os:

1) Açúcar – dá um pico de energia e logo em seguida, puxa-a para baixo. Como aumenta a quantidade de glicose no sangue, o organismo aumenta a secreção de insulina para normalizar a glicemia, por isso a sensação de aumento de energia dura pouco e dá lugar à fadiga.

2) Café – um dos estimulantes mais populares, também pode roubar sua energia. Ele realmente gera mais disposição num primeiro momento, mas sua ação no sistema nervoso tem como um dos efeitos o cansaço e a debilidade. Por isso é viciante e você precisará de doses cada vez maiores para sentir o efeito energético.

3) Desidratação – a pouca ingestão de líquidos causa, entre outros, a sensação de cansaço e sonolência.

4) Falta de foco – não ter metas definidas nem saber onde se deseja chegar faz com que ocorra um grande desgaste de energia física, emocional e mental em atividades que não são prioridade e geram pouco ou nenhum resultado.

5) Baixa resiliência – desistir facilmente, diante de qualquer dificuldade ou obstáculo, consome uma grande quantidade de energia, uma vez que irá gerar frustração e desgaste que um começo ou recomeço exige.

6) Alto nível de Stress – o stress nada mais é do que energia mal canalizada. Em um nível moderado, contribui para mais energia e realização, porém por períodos prolongados, pode resultar em esgotamento e, em casos mais extremos, em um colapso físico. O corpo simplesmente para.

7) Desafio exagerado – os desafios nos tiram da zona de conforto e em geral é onde ocorrem as grandes conquistas, porém, se for desproporcional à nossa capacidade e muito além dos nossos limites, pode nos paralisar.

8) Atitude Mental Negativa – ao reclamar e ver apenas o lado ruim, foca-se no problema e a energia é consumida na dificuldade e não na solução.

9) Emocional abalado – a inteligência emocional é importantíssima para manter nossa energia em alta. Se estamos frágeis emocionalmente, assim também estará nossa energia.

10) Relações Tóxicas – escolher com quem queremos compartilhar nossos dias e nossa vida faz toda diferença para aumentar ou consumir nossa energia. Pessoas reclamonas, negativas, irritadiças devem ser evitadas.

 

Por outro lado, dê ainda mais atenção a esses hábitos que contribuem para o incremento energético:

1) Alimentação – uma das nossas principais fontes de energia. Quanto mais natural e menos processado, mais energia o alimento irá proporcionar. A variedade confere uma grande quantidade de nutrientes (frutas, verduras, leguminosas, oleaginosas, cereais). Evite conservantes, frituras, carboidratos pobres (como pães e massas), refrigerantes e doces. Sua energia será proporcional à qualidade dos alimentos que você ingere.

2) Atividade física – fazer exercício físico regularmente, ao contrário do que muitos podem imaginar, aumenta a energia, já que desencadeia grande quantidade de substâncias em nosso organismo que nos dão a sensação de prazer e bem-estar.

3) Sono – dormir entre 7 e 8 horas por noite é fundamental para recuperar a energia. Alguns precisam de mais e outros de menos horas de sono diárias, mas para a maioria, essa é a quantidade ideal para que o corpo e a mente se recuperem. O sono de boa qualidade também é importante, por isso se prepare para dormir: evite comidas pesadas, luz forte, discussões, redes sociais, notícias desagradáveis.

4) Meditação – possibilita maior clareza e faz com que sua mente fique mais focada e direcionada para suas tarefas e objetivos. A mente caótica gasta muito mais energia do que uma mente organizada, atenta e produtiva.

5) Tempo para si mesmo – uma das coisas mais difíceis nos dias atuais é arranjar um tempinho para não fazer nada. Isso mesmo, o “dolce far niente” é um grande aliado para recarregar a energia, nem que sejam apenas alguns minutinhos no dia. Mas é fazer nada mesmo, nada de navegar nas redes sociais ou assistir um vídeo online. Apenas pare e se conecte com o momento presente.

6) Respiração – respirar é uma das principais fontes de energia, junto com o alimento, água e luz solar. O problema é que a maioria das pessoas utiliza apenas 10% da capacidade pulmonar, reduzindo muito seu potencial de captação e armazenamento de energia. Estudos mostram que treinamentos regulares auxiliam na mudança deste cenário a partir de seis semanas de exercícios respiratórios.

 

Agora é só colocar tudo em prática e sentir a diferença.

Ale Filippini

Colunista

Migrou da advocacia internacional para a área de qualidade de vida e alta performance há quase 10 anos. Formada pela Federação de SP do DeRose Method, especializou-se em treinamentos e palestras para quem quer melhor desempenho profissional ou esportivo, com experiência de consultorias inclusive fora do país. Utiliza técnicas respiratórias, corporais, de mentalização, meditação, descontração muscular, entre outras, como um diferencial para quem quer atingir um nível acima. Essas ferramentas têm sido amplamente utilizadas por atletas amadores e profissionais, tanto brasileiros quanto estrangeiros. É corredora há 12 anos e migrou para o triathlon há 2, tendo completado 2 IronMan 70.3 neste período. Assinará a coluna “Alta Performance – Você é a chave para o Alto Rendimento”

One thought on “OS 12 PILARES PARA A ALTA PERFORMANCE: NÍVEL DE ENERGIA

  1. Gilchrist Adolfo disse:

    Parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *