No artigo deste mês trago para vocês mais um Pilar da Alta Performance, esses pilares constituem habilidades mínimas que devemos ter para obter melhores resultados em qualquer aspecto da nossa vida, incluindo o esporte.

 

Nos meses anteriores abordei:

  1. importância de manter o foco
  2. resiliência mental
  3. mudar o mindset (atitude mental) para nos mantermos no curso e realizar as nossas metas.

 

Este mês é a vez de falar sobre Engajamento ou Automotivação.

 

Começo com uma frase do Professor DeRose que diz muito sobre como a motivação é efêmera e altamente influenciada pelos acontecimentos do nosso dia: “A felicidade ou a infelicidade são efeitos ilusórios de causas relativas à condição imediatamente anterior”.

 

Ou seja, vamos de uma emoção à outra dependendo do que acabou de nos acontecer. E isso se repete várias vezes ao dia: no trabalho, no treino, na prova. Em um momento estamos empolgadíssimos e no outro imediatamente seguinte, desmotivados.

 

Primeiro vamos entender o que é motivação. Estar motivado é ter uma vontade incrível de se fazer algo!

 

Ter vontade de fazer aquilo que gostamos não é tão desafiador, mas como pensar “uhuuu” na hora de fazer o que não gostamos, ainda que seja imprescindível para chegarmos onde queremos? É nestes momentos que há uma tendência a procrastinação.

 

É fácil ter motivação quando tudo está dando certo, mas e quando vem as dificuldades? O ser humano, ao enfrentrar dificuldades ou falhar, tende a se sentir envergonhado, perdedor, ansioso, frustrado, depressivo. O simples fato de achar que poderá dar errado, já desmotiva. Alguns nem tentam para não correr o risco de fracassar.

 

Mas o que fazer para manter a motivação, independente de todos esses fatores?

 

A primeira coisa é ter consciência de que a motivação vem de dentro. Não devemos esperar pessoas ou acontecimentos para nos motivar. Apenas a inspiração vem de fora.

 

Segundo: tenha metas atingíveis e reais - não muito fáceis, nem muito difíceis. Quem acompanha meus textos já leu várias vezes a importância de ter metas muito bem específicas e definidas. Para gerar engajamento não é diferente. Como você pode se manter empolgado se não sabe nem onde quer chegar? Ou não tem ideia do quanto aquilo é importante para você?

 

A seguir divida as metas maiores em submetas. Assim conseguirá ter uma progressão constante, ainda que pequena, mas terá a sensação de que está avançando em direção ao objetivo final.

 

Realize as tarefas menores e mantenha a constância e disciplina. Comemore cada pequena conquista e se permita recompensas emocionais por elas, isso funciona muito bem para o cérebro. Por outro lado, evite punições quando algo der errado ou não for feito, isso tende a atuar de forma radicalmente oposta à motivação.

 

Os erros e falhas fazem parte do caminho, aprenda com eles e siga em frente. Você pode até ficar triste por ter errado, mas isso não deve te desmotivar, pegue esta energia e a transforme em realização. Falo mais sobre isso no artigo Atitude Mental; o livro “Mindset” também é uma boa leitura sobre o assunto.

 

Ressignifique aquelas tarefas que não lhe são tão prazeirosas, pense no porquê você está fazendo aquilo.

 

Um aluno queria emagrecer, pois estava um pouco acima do peso e não gostava tanto da aparência, mas ao mesmo tempo não conseguia dar continuidade à reeducação alimentar e às atividades físicas. No fundo a estética não era um grande motivador para a perda de peso. Quando ressignificamos a importância de ficar mais magro, não pela aparência, mas pela saúde, acabou perdendo 8 quilos em 3 meses.

 

Por último, esteja atento à sua vibe emocional. Ao colocar consciência, quando começar a reclamar, achar desculpas, ser negativo, rapidamente poderá tomar uma atitude e mudar para o mindset positivo.

 

Para finalizar, deixo aqui o link para alguns vídeos do TED sobre motivação que achei bem interessantes:
https://tudosobreincentivos.com.br/ted-talks-motivacao-e-engajamento/

 

Espero que se mantenham motivados! ;) Mês que vem tem mais.

Ale Filippini

Colunista

Migrou da advocacia internacional para a área de qualidade de vida e alta performance há quase 10 anos. Formada pela Federação de SP do DeRose Method, especializou-se em treinamentos e palestras para quem quer melhor desempenho profissional ou esportivo, com experiência de consultorias inclusive fora do país. Utiliza técnicas respiratórias, corporais, de mentalização, meditação, descontração muscular, entre outras, como um diferencial para quem quer atingir um nível acima. Essas ferramentas têm sido amplamente utilizadas por atletas amadores e profissionais, tanto brasileiros quanto estrangeiros. É corredora há 12 anos e migrou para o triathlon há 2, tendo completado 2 IronMan 70.3 neste período. Assinará a coluna “Alta Performance – Você é a chave para o Alto Rendimento”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *