Desde o começo do ano tenho trazido aqui, em artigos mensais, habilidades imprescindíveis a serem desenvolvidas para que se possa obter o melhor resultado, seja no esporte, no trabalho ou na vida.

 

Um está intimamente ligado ao outro. A falta de atenção a alguns desses aspectos impacta diretamente nos demais e assim, por consequência, na performance.

 

Se ainda não leu os artigos anteriores, recomendo que o faça, assim saberá como extrair seu máximo potencial em todas as ocasiões:

  1. importância de manter o foco
  2. resiliência mental
  3. mudar o mindset (atitude mental) para nos mantermos no curso e realizar as nossas metas.
  4. Engajamento
  5. Nível de Energia

 

Talvez você esteja se questionando como a habilidade de relacionamento pode interferir no seu desempenho no esporte. Eu explico com uma pergunta: quais as chances de você focar no treino ou prova, e ter um bom resultado, se estiver com a cabeça cheia após um desentendimento em casa ou no trabalho? A resposta é: praticamente nulas.

 

Algumas pessoas dizem que treinar serve como terapia, momento para clarear a mente, de fato fazer atividade física ajuda nos estados emocionais, mas a verdade é que, após o treino você retorna à sua realidade e aos mesmos problemas, ou seja, sua performance estará sempre como uma montanha russa, com altos e baixos.

 

Segundo um estudo de Harvard, com 724 pessoas, que teve início em 1938 e dura até hoje, o segredo da felicidade é a qualidade dos relacionamentos. Dos pesquisados, os que tinham melhor relacionamento aos 50 anos foram os que chegaram com melhor saúde aos 90. Não foi a taxa de colesterol ou exames médicos que indicaram quem iria envelhecer bem e sim como se relacionavam.

 

Ou seja, se relacionar bem também podem contribuir para que você se mantenha por mais tempo fazendo esporte.

 

Bons relacionamentos nos mantêm felizes e saudáveis, pois além de proteger o corpo, também protege o cérebro, inclusive melhorando a memória. Pessoas isolados são mais infelizes, as funções cerebrais falham e a expectativa de vida é menor.

 

De acordo com pesquisa, 75% dos entrevistados afirmaram que os problemas no trabalho são provenientes dos relacionamentos (principalmente com os líderes) e não da atividade que exercem. O segundo maior fator de stress são os relacionamentos no ambiente de trabalho e o terceiro, os relacionamentos amorosos tóxicos.

 

Embora muitos tentem separar a vida pessoal da profissional, fato é que ambas estão interligadas. Não digo que você deve viver seu trabalho 24horas ou deixar suas questões pessoais interferirem em seu desempenho, mas a realidade é que isso acontece, quer você queira ou não.

 

Se estiver vivendo um período difícil e estressante no trabalho, seu nível de energia, motivação e vontade será prejudicado, por consequência terá que fazer muito mais esforço para manter o ritmo de treinos e sustentar o desempenho no esporte. Em alguns casos o atleta desiste do esporte, quando ganha peso, entra em depressão e se vê em um círculo vicioso.

 

É comum não fazer a ligação do quanto o relacionamento interfere na qualidade de vida e no desempenho nos esportes, por isso, a partir de hoje, dê mais atenção às relações interpessoais para não entrar nesse redemoinho que puxa para baixo.

 

Certamente você já deve ter ouvido falar que provas de endurance requerem, muito mais do que o treino na modalidade em si, o treino mental. Pois bem, para que a mente esteja sã e possa ser trabalhada é necessário fornecer as condições para tanto e, desta forma, performe com excelência.

 

Assim sendo, evite relacionamentos sem qualidade, pessoas negativas, reclamonas. Se afaste de quem não te faz bem. Mas você também tem seu papel para manter os relacionamentos saudáveis: se coloque no lugar do outro (você não é o centro das atenções), evite conflitos (ser pacífico é diferente de ser passivo), ouça mais, tolere (não julgue o que você não entende), aprenda a dar e ouvir feedback.

 

Uma vida boa se constrói de boas relações. Afinal, você quer ser feliz ou ter razão?

 

crédito da foto: Julien Pereira (@julien_pereira)

Ale Filippini

Colunista

Migrou da advocacia internacional para a área de qualidade de vida e alta performance há quase 10 anos. Formada pela Federação de SP do DeRose Method, especializou-se em treinamentos e palestras para quem quer melhor desempenho profissional ou esportivo, com experiência de consultorias inclusive fora do país. Utiliza técnicas respiratórias, corporais, de mentalização, meditação, descontração muscular, entre outras, como um diferencial para quem quer atingir um nível acima. Essas ferramentas têm sido amplamente utilizadas por atletas amadores e profissionais, tanto brasileiros quanto estrangeiros. É corredora há 12 anos e migrou para o triathlon há 2, tendo completado 2 IronMan 70.3 neste período. Assinará a coluna “Alta Performance – Você é a chave para o Alto Rendimento”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *